top of page
  • Foto do escritorPastoralCarcerariaCE

G1: Superlotação aumenta e número de presos provisórios volta a crescer no Brasil

Levantamento do G1 mostra que, um ano após ligeira queda, prisões estão mais de 70% acima da capacidade e o percentual de detentos sem julgamento é maior (35,6% do total). São 708,5 mil presos nas penitenciárias; número passa de 750 mil se forem contabilizados os em regime aberto e os detidos em carceragens da polícia. Globonews mostra situação nos presídios


Superlotação em carceragem de Águas Lindas, município da região do Entorno do DF. (Foto: Antônio Cruz/ABr)

Por Clara Velasco e Thiago Reis, Bárbara Carvalho, Carolline Leite, Gabriel Prado e Guilherme Ramalho, G1 e GloboNews


Presos algemados por dias a viaturas em frente a delegacias por falta de vagas no sistema penitenciário. A cena, registrada na última semana em Porto Alegre (RS), é um retrato da realidade do país. Um ano após uma ligeira queda na superlotação, os presídios brasileiros voltaram a registrar um crescimento populacional sem que as novas vagas dessem conta desse contingente. O percentual de presos provisórios também voltou a crescer, mostra um levantamento do G1, dentro do Monitor da Violência, feito com base nos dados dos 26 estados e do Distrito Federal.


Desde a última reportagem do G1, publicada em fevereiro de 2018, foram acrescidas ao sistema 8.651 vagas, número insuficiente para acomodar o total de presos, que cresceu 3,2% em um ano, com 21.952 internos a mais.


Há hoje 708.546 presos para uma capacidade total de 415.960, um déficit de 292.586 vagas. Se forem contabilizados os presos em regime aberto e os que estão em carceragens da Polícia Civil, o número passa de 750 mil.


Os presos provisórios (sem julgamento), que chegaram a representar 34,4% da massa carcerária há um ano, agora correspondem a 35,6%.


Os dados levantados pelo G1 via assessorias de imprensa e por meio da Lei de Acesso à Informação são referentes a março/abril, os mais atualizados do país. O último Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias (Infopen), do governo, é de junho de 2016 – uma defasagem de quase três anos. Havia, na época, 689,5 mil presos no sistema penitenciário (e outros 37 mil em delegacias).


Em comparação aos dados colhidos pelo G1 em 2018, o novo levantamento revela que:


* o número de pessoas presas foi mais uma vez superior ao de vagas criadas

* a superlotação voltou a crescer: de 68,6% para 70,3%

* Pernambuco se manteve como o estado com a maior superlotação

* o percentual de presos provisórios foi de para 34,4% para 35,6%

* Minas Gerais virou o estado com a maior parcela de provisórios


O Monitor da Violência, criado em 2017, é resultado de uma parceria do G1 com o Núcleo de Estudos da Violência (NEV) da USP e com o Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

O G1, no entanto, faz levantamentos sobre a situação do sistema penitenciário brasileiro desde 2014. Desta vez, para que fosse possível fazer uma comparação também com o Infopen, foi pedido o número de presos que cumprem o regime aberto e que não demandam vagas no sistema. Também foi solicitado a todas as secretarias de Segurança Pública o dado de presos em carceragens ou delegacias de polícia. Alguns estados, no entanto, não têm dados consolidados de presos em regime aberto, pois dizem que a responsabilidade do monitoramento dos sentenciados é da Justiça.



**********************************************************************************************


Comentário da Pastoral Carcerária do Ceará


Por Marco Passerini


Passaram-se quase dez anos e, mesmo reconhecendo algumas pontuais melhorais, os dados recém divulgados pelo G1 relativos ao Brasil e ao Ceará mostram que o SISTEMA DEZ continua esculpido a ferro e fogo no nosso famigerado Sistema Penitenciário. Este, com o intuito de debelar o crime organizado, ainda opta por andar teimosamente na contramão de qualquer Estado Democrático de Direito.


Assista ao vídeo "O grito das prisões", de 2010.



23 visualizações0 comentário

Комментарии


bottom of page