• PastoralCarcerariaCE

A12: Pastoral Carcerária celebra 50 anos no Santuário Nacional


Agentes da Pastoral Carcerária do Ceará em Aparecida (SP), em agosto de 2022, em romaria pelos 50 anos da Pastoral no Brasil. (Foto: divulgação)
Movimento de evangelização e promoção da dignidade humana nos presídios organiza romaria realizada em agosto

Matéria publicada em 19 de maio de 2022.

Para ler o original, clique aqui.


O Brasil tem atualmente a terceira maior população prisional do mundo: mais de 820 mil pessoas em contínuo e exorbitante aumento desde o início dos anos 1990, revelando a perversa política de encarceramento em massa que está em curso no país, e que tem como alvo os grupos sociais marginalizados e empobrecidos, principalmente jovens, negros e moradores das periferias e de áreas urbanas mais frágeis.


“Estive preso e vieste me visitar” (Mt 25, 36).

É com esse lema que a Pastoral Carcerária, movimento social ligado à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), trabalha junto às pessoas presas e suas famílias, com diversas ações como evangelização e promoção da dignidade humana, luta pelo fim da política de encarceramento em massa no país, priorizar defesa da vida e integridade física das pessoas presas, atender suas necessidades pessoais, familiares e espirituais destas pessoas, entre outras atividades.


Em 2022, a Pastoral completa 50 anos de existência. Mesmo com outras pastorais estando presentes nos presídios brasileiros (Cursilho, grupos de jovens, legião Maria, Vicentinos, Movimento Familiar Cristão) já realizando assistência religiosa e promovendo momentos de lazer e educação. Neste tempo, surge também a primeira Apostila de Formação da Pastoral Carcerária, foi criada pelo Pe. Paulo Ruffier, padre Jesuíta que iniciou os trabalhos pastorais na Casa de Detenção em São Paulo.


A apostila elaborada no período que realizava as visitas tornou-se referência para todo o país e tendo sido publicada no ano de 1972. Após cinco décadas, a Pastoral Carcerária continua sua caminhada de evangelização, desafiada pela realidade que nestes últimos anos na continuidade e na fidelidade ao sonho de um mundo sem prisões, têm dado vida à Agenda Nacional pelo Desencarceramento, criando e animando as Frentes Estaduais pelo Desencarceramento, dando maior atenção à questão da mulher encarcerada e, durante a Pandemia do Covid-19, acompanhando cada agente da pastoral no seu grito de sofrimento e dor.


Nesta semana, a coordenadora nacional do movimento, a Irmã Petra Silvia Pfaller, fez um convite aos agentes e parceiros da Pastoral Carcerária Nacional para celebrar os 50 anos com uma romaria no dia 28 de agosto, no Santuário Nacional de Aparecida (SP). No convite, a religiosa destaca que a Pastoral é um dos movimentos ligados à Comissão Episcopal Pastoral para a Ação Sociotransformadora da CNBB.


“A partir da década de 70, no Brasil, a Igreja se faz mais presente no cárcere com celebrações, cursos bíblicos, grupos de partilhas e acompanhamento à Jesus preso nas pessoas presas. Convido vocês a participarem deste momento nacional na Basílica de Nossa Senhora de Aparecida”, disse.



8 visualizações0 comentário