top of page
  • Foto do escritorPastoralCarcerariaCE

Dia Internacional dos Direitos Humanos: membro da Pastoral Carcerária rejeita condecoração no MA



Por Pe. Claudio Bombieri, MCCJ*


Hoje, 10 de dezembro, comemora-se o Dia Internacional dos Direitos Humanos. O período coincide com a ‘Semana dos Direitos Humanos’, seja em nível estadual e/ou federal, bem como na esfera governamental ou na própria sociedade civil. Há formas bem diversificadas de ‘celebrar’ esse momento. Tudo depende, porém, do lugar social em que queremos nos situar e olhar esse acontecimento.


Há governos estaduais e, inegavelmente, o atual governo federal, que acham que vêm ‘concedendo’ aos seus cidadãos direitos e garantias em excesso. Vivem permanentemente às turras com movimentos sociais e outras organizações que, supostamente, não lhe reconhecem o seu esforço institucional em ampliar o conjunto de direitos difusos. Para nós, da sociedade civil, que conhecemos o que significa ser humilhado por policiais, ser excluído de atendimentos médicos condizentes, sofrer preconceitos e violências de toda ordem sem haver nenhum tipo de punição, que vemos a educação sendo sucateada etc, a semana dos D.H. é oportunidade para dizer que o nosso projeto social não combina com o dos palácios! Que não nos deixamos anestesiar pelo ‘canto das sereias’!


É nesse contexto que se torna emblemática a recusa do padre Marco Passerini, membro da Pastoral Carcerária do Ceará, a receber a ‘Comenda Magno Cruz’, oferecida pela Secretaria dos Direitos Humanos do Maranhão. Passerini se destacou, naquele Estado, na defesa dos DH de 1973 a 1988. Ao reler agora a sua carta de recusa (leia ao final), pergunto-me se alguma vez houve um reconhecimento público formal, uma espécie de premiação, por parte do conjunto da sociedade civil a um governador, a um ministro, a um secretário de Estado, ou a um presidente da República por terem fomentado políticas públicas corajosas de defesa e de promoção dos direitos humanos. Um clamor social aplaudindo ações institucionais, de governo, de ampla envergadura, capazes de ‘fazer a diferença’ no cotidiano de pessoas desrespeitadas em suas dignidades.

Sacerdote da Congregação dos Missionários Combonianos, Marco Passerini nasceu na Itália e celebrou 50 anos de serviço religioso. Residiu por quatorze anos no estado do Maranhão, onde obteve destacado reconhecimento na área dos Direitos Humanos. (Foto: divulgação)

Até agora estou sem resposta e, certamente, haverá muitos que acham um tanto estapafúrdia tal possibilidade. Não é para menos. Após mais de 70 anos da Declaração (pouco) Universal dos Direitos Humanos, assinada por vários chefes de estado, tem-se a impressão que, hoje, até as vítimas da violência institucional, do desemprego sistêmico, da fome e da desnutrição, das epidemias e pandemias, das perseguições por causa de raça, gênero, religião etc, estão deixando de acreditar que seria ainda possível uma guinada radical. Uma espécie de reviravolta em que a Justiça, na sua acepção mais ampla, venha a se tornar uma ‘política de estado’, e não um apêndice.


Paradoxalmente, constatamos que é justamente o Estado, e seus onipresentes tentáculos, quem mais nega e atropela o que afirma defender. Ao longo desses anos assistimos, inclusive, ao pior: a apropriação também simbólica, por parte do Estado, daquele ideário libertário e emancipatório que sempre existiu nas entranhas dos seres humanos e em suas lutas históricas. De um lado temos o carrasco e hipócrita estado que vende a imagem de defensor universal de todos os direitos para todos os seus cidadãos - inclusive criando secretarias, varas especiais e ministérios específicos - e do outro, assistimos às espúrias e sórdidas alianças com seus comparsas empresários, traficantes, banqueiros cúmplices em atacar, prender, violentar, manipular os desprotegidos cidadãos.


No atacado o Estado, seja ele estadual ou federal, vende a imagem de grande protetor imparcial e promotor de direitos e, no varejo, em plena luz do dia, agride tudo e todos, quando alguém resiste às suas insaciáveis ambições e múltiplos interesses.

Hoje, defender e propor novos direitos humanos é perigoso. E faz derramar sangue! A umbilical cumplicidade entre o estado e as grandes empresas nos jogaram no vórtice do medo psicológico e social. O medo de perder o emprego, de passar fome, de ser preso, de ser linchado, de ser humilhado, de virar um proscrito social por defender um modo específico e digno de ser e de existir, faz com que, muitas vezes, se aceite todo tipo do abuso e arbitrariedade. Ao passo que outros, impávidos e arrogantes, têm esperança de sobra. Esperam continuar a torcer corpos, estuprar ecossistemas e manipular consciências, sem medo de serem punidos. Afinal, a mão que bate em Chico não bate em João!


A justificativa legal utilizada por desembargadores, juízes e ministros de tribunais para prender e condenar ‘pobres, pretos e putas’ não serve para prender e condenar os magnatas do agronegócio, da construção civil e outros que invadem territórios indígenas e de preservação ambiental, torturando, escravizando e massacrando quem os contestam.

Contudo, é graças a tudo isso que temos que cultivar, hoje - muito mais que em outras épocas -, a esperança de que ainda temos espaço e condições para interromper o vórtice do medo institucionalizado, desnudando e denunciando a hipocrisia do Estado. E jamais aceitar qualquer tipo de pacto com os carrascos de colarinho branco! Quando uma secretaria de Estado premia solenemente cidadãos defensores e recriadores de direitos é porque, talvez, queira camuflar, solene e publicamente, a verdadeira face de algoz da máquina estatal de que faz parte, perpetuando a enganação social e política.


E quando um cidadão, em nome da sua coerência pessoal e política, recusa um reconhecimento outorgado por quem desrespeita direitos primários, é um claro sinal de que ainda há esperança nessa terra. Um sinal de que muitos cidadãos, defensores intransigentes de vida plena, não morreram em vão! E que os vivos e resistentes de hoje podem e devem se fortalecer e se motivar a partir das ruínas das esperanças do passado, reconstruindo e construindo algo que jamais se viu ou se imaginou!


*Missionário comboniano, teólogo e antropólogo. Confira mais textos em: padrebombieri.blogspot.com


*********************

CARTA DE RECUSA

Prezadas (os).


Há poucos dias manifestei minha surpresa e gratidão pela outorga do Prêmio Magno Cruz de Direitos Humanos 2021 à minha pessoa. Esse reconhecimento seria uma oportunidade para me reconectar com as lutas de ontem e de hoje, de cidadãos e cidadãs, grupos, movimentos e etnias do Maranhão que continuam persistindo na construção de uma sociedade justa, sustentável e pacífica.


Não seria um reconhecimento pessoal, mas um memorial de tantos companheiros e companheiras de caminhada. Pessoas que têm nome e sobrenome, algumas ainda vivas resistentes e resilientes, outras que nos deixaram fisicamente e outras, enfim, que acabaram fazendo escolhas duvidosas. Como no passado, ainda hoje, a minha história é escrita no plural.


Em que pese tudo isso, diante das informações amplamente veiculadas pela imprensa e redes sociais que dão conta de ações truculentas da PM do MA desrespeitando etnias e territórios, sem querer emitir julgamentos apressados e não plenamente objetivos, em nome da minha consciência ética e cristã, não devo e não posso aceitar o referido Prêmio de Direitos Humanos que, nesse contexto, parece-me contradizer o seu verdadeiro escopo.


Tenho conhecimento das dificuldades e dos esforços dessa excelente Secretaria na promoção e defesa dos Direitos Humanos. Por isso, longe de mim a intenção de responsabilizá-la pelas repetidas arbitrariedades no território Acroá-Gamella. Outras instituições governamentais e empresariais têm culpa no cartório. Quanto a mim, só me cabe afirmar que não é possível uma Secretaria promover e defender os Direitos Humanos no varejo enquanto outras Secretarias do mesmo Governo persistem em violentá-los.

Enfim, mesmo reiterando meu apreço e gratidão, aproveito este ensejo para aderir à nota de denúncia sobescrita por várias entidades.


Pe. Marco Passerini


*****************

NOTA DE DENÚNCIA


As entidades abaixo subscritas vêm a público denunciar a prisão arbitrária de cerca de 20 indígenas do povo Akroá-Gamella, em Viana, Maranhão. Dentre os indígenas, está o agente da Comissão Pastoral da Terra (CPT-MA), Kum’Tum Akroa Gamella. De acordo com informações que chegam do território, a situação se iniciou na manhã de hoje, 18/11, devido à tentativa de instalação de linhões de energia elétrica da Empresa Equatorial Energia no território indígena sem a devida consulta prévia ou autorização dos Akroá-Gamella, que tentaram a via da negociação e foram totalmente ignorados pela referida empresa.


Além da prisão realizada pela Polícia Militar do Maranhão, foram recolhidos celulares e câmeras fotográficas que registravam a presença ilegal de equipes para instalação dos linhões. O ambiente é de tensão, devido à presença de jagunços armados contratados pela concessionaria de energia na região.


A situação é de extrema violência, por parte de jagunços e da Polícia Militar, com casas invadidas e tiros disparados.


Exigimos liberdade imediata aos indígenas presos, a apuração rigorosa das ações arbitrárias de instituições do Estado do Maranhão, assim como da empresa Equatorial contra os Akroa-Gamella.

Cáritas Brasileira Regional Maranhão

Conselho Pastoral dos Pescadores-MA

Comissão Pastoral da Terra-MA

Comissão Pastoral da Terra Nacional

Conselho Indigenista Missionário-MA

Sociedade Maranhense de Direitos Humanos

Agência Tambor

Fórum Popular de Educação do Campo do Maranhão

Rede de Agroecologia do Maranhão

Laboratório de Estudos Vulnerabilidades e Processos de Subjetivação/UFMA

Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros- NEAB/UFMA

Coordenação do Curso de Ciências Sociais da UFMA

Geiima – Grupo de Estudos Indígenas e Indigenistas no Maranhão/UFMA

APRUMA Seção Sindical do Andes Sindicato Nacional

Movimento de Defesa da Ilha

Grupo de Estudos Desenvolvimento, Modernidade e Meio Ambiente – GEDMMA/UFMA

Movimento dos Atingidos pela Base Espacial de Alcântara (MABE)

Associação Comunitária de Educação em Saúde e Agricultura- Acesa

Movimento dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais Sem Terra MST

TIJUPÁ

NURUNI/UFMA

ANAÍ

União de moradores do Taim

Rede de mulheres das Águas e das Marés e dos Manguezais do Maranhão e do Piaui (Remumama)

Conselho Gestor da Resex Tauá-Mirim

Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Judiciário Federal e MPU no Maranhão – SINTRAJUFE/MA

Federação dos Trabalhadores Rurais Agricultores e Agricultoras Familiares do Estado do Maranhão – FETAEMA

Núcleo de Estudos e Pesquisas em Questões Agrárias – NERA/UFMA

Diretório Municipal do PSOL de São Luís

Núcleo de Etnologia e Imagem/UFMA

Gepolis – Grupo de Estudos de Política, Lutas Sociais e Ideologia/UFMA

Movimento Interestadual das Quebradeiras de Coco (MIQCB)

Comissão de Direitos Humanos da OAB/MA

Associação dos Produtores e Produtoras Rurais Quilombolas de Santa Rosa dos Pretos – Itapecuru-Mirim/MA

União das Comunidades Negras Rurais Quilombolas – UNICQUITA – Itapecuru-Mirim/MA

Grupo de Trabalho Fronteiras, Regionalização e Globalização na América, do Conselho Latino-americano de Ciências Sociais – CLACSO

Povo Anapuru Muypurá do Maranhão

Povo Tremembé da Raposa/MA

Povo Kariú Kariri – Comunidade Areial – Estreito/MA

Sinasefe Seção Maracanã

Movimento Quilombola de Bequimão/MA – MOQBEQ

CSP Conlutas

Ong Arte-Mojó

Observatório dos Conflitos do Extremo Sul do Brasil, da Universidade Federal do Rio Grande – FURG

FLUTUA/UFMA

Pastoral da Juventude – PJ/MA

Movimento Hip Hop Quilombo Urbano

Movimento Nacional Quilombo Raça e Classe

Movimento Mulheres em Luta

Juventude do Rebeldia

Batalha da LB

Coletivo ursula

PSTU

Justiça nos Trilhos JnT

São Luís, 18 de novembro de 2021.


337 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page