• PastoralCarcerariaCE

Opinião: Ainda há juízes no Ceará



Foto: Wilson Dias / Agência Brasil

Por Igor Barreto

*Defensor Público. Foi membro da equipe jurídica da Pastoral Carcerária do Ceará.


20 de janeiro de 1942. Nos arredores de Berlim, em Wannsee, uma reunião é dirigida com um objetivo: determinar o método que seria aplicado para matar o maior número de judeus no menor tempo possível. Era a efetivação da “solução final”. Dali em diante, incontáveis judeus foram reunidos e levados a campos de extermínio, morrendo em ambientes comuns submetidos à inalação de Zyklon B.

12 de maio de 2020. Na Cadeia Pública da Comarca de Sobral, 51 mulheres são retiradas de suas celas e encaminhadas para veículos da Secretaria de Administração Penitenciária do Estado do Ceará. Seu destino, ainda que não saibam, é o Instituto Penal Feminino (IPF) Desembargadora Auri Moura Costa. Lá, em meio à pandemia de coronavírus, que já matou mais de 14.000 brasileiros e mais de 300.000 pessoas ao redor do mundo, foram colocadas em ambiente prisional superlotado, que já havia sido interditado anteriormente. No IPF, 28 detentas já testaram positivo para Covid-19.


Leia também:

G1CE: Justiça interdita presídio feminino no Ceará que enfrenta lotação


Editorial: Covid-19 e a Caixa de Pandora Penitenciária

Nota técnica da Secretaria de Saúde do Estado do Ceará, de 10 de abril de 2020, reafirmou a “importância da suspensão das transferências de presos entre as Unidades Prisionais, além de mudança de ala para ala dentro do próprio presídio e entre as celas, salvo em casos emergenciais e ou extremamente necessários.”

Oficiada a direção da unidade prisional, não houve indicação do fundamento e motivo para a transferência. Questionada, a própria SAP informou à imprensa que, por estratégia de segurança, não comenta transferências.

O que há na realidade prisional local é a afronta à lei, com conhecimento e aquiescência do Estado. Mas não só isso. A transferência imotivada de detentas para um ambiente prisional superlotado e contaminado faz parecer ser o intuito do administrador algo como uma “solução final”. Não é a preocupação com a vida. Não pode ser. As medidas adotadas pela Defensoria Pública, ao sustentar em 46 habeas corpus a ilegalidade das transferências, e o retorno à Cadeia Pública de Sobral, estão sob a luz do Tribunal de Justiça do Estado.


Em 1745 o imperador prussiano desejou tomar para si um moinho que estava ao lado de seu palácio de verão, chamado Sanssouci (sem preocupação). O moleiro, contudo, resistiu. Questionado pelo imperador, o dono do moinho disse que não temia sair dali, porque ainda há juízes em Berlim. O moinho continua lá.


Diante dos poderes quase imperiais da Secretaria de Administração Penitenciária, acreditamos, ainda há juízes no Ceará.

299 visualizações

Pastoral Carcerária do Ceará

Avenida Dom Manuel, 339, centro.

CEP 60.060-090. Fortaleza - Ceará

Fone: (85) 3388 8718 | pastoralcarcerariaceara@gmail.com

  • Black Facebook Icon
  • Twitter